Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007

Ponto de vista de um Francês ‘infiltrado’ no Grupo de Trabalho

Os responsáveis da Comissão pela Comemoração dos 200 anos da Batalha da Roliça tiveram a gentileza e abertura de espírito de acolher no grupo de trabalho um cidadão francês, radicado há 10 anos em Portugal e recentemente instalado no Concelho do Bombarral.

 

Não é fácil participar na celebração de uma vitória contra o seu país de origem, tanto mais quando as Invasões Francesas deixaram uma péssima recordação na memória colectiva portuguesa.

 

As tropas napoleónicas assumem o papel dos ‘Maus da Fita’, pela ambição desenfreada de Napoleão, pela cobiça de Junot, pela crueldade de Loison, o ‘Maneta’, e pelos assassinatos perpetrados pelas tropas. O castigo final da Roliça e do Vimeiro parece até insuficiente para exonerar tantos crimes… Mas será na verdade tão simples como isto? Os bons de um lado e os maus do outro?

 

A História não é uma ciência exacta. Queiramos ou não, temos a tendência de ‘ler’ os eventos numa determinada óptica, sempre condicionada pelos nossos valores. Identificamo-nos com o país de nascimento, logo a sua valorização reforça a nossa auto-estima. Sabemos igualmente que a História é um importante meio de propaganda; mudar os compêndios nas escolas é uma das primeiras medidas tomadas após uma Revolução.

 

Para nos aproximarmos de uma abordagem objectiva, é útil confrontar e equacionar diferentes visões nacionais. Seguindo este raciocínio, ainda faltariam no grupo de trabalho os pontos de vista dos ingleses e dos espanhóis! Isto porque no actual contexto de construção de uma identidade europeia, elabora-se pouco a pouco uma História Continental que ultrapassa as Histórias Nacionais tendencialmente nacionalistas, preferindo enaltecer as vitórias e esquecer as desfeitas.

 

Por conseguinte, também o público francês em geral pouco sabe sobre as campanhas que Napoleão fez em Portugal e em Espanha de 1807 a 1814. E ainda menos sobre a Batalha da Roliça. Daí, aliás, o interesse de fomentar o turismo histórico no Bombarral.

 

Ao consultar a literatura especializada, observamos contudo elementos concordantes e também divergências entre as análises efectuadas em ambos os países. Grosso modo, os historiadores franceses adoptam uma atitude mais compreensiva relativamente ao Tratado de Fontainebleau, cuja importância minimizam; à administração de Junot em Portugal de que só retiveram os aspectos positivos; à repressão das tropas napoleónicas sobre revoltas populares, insistindo sobre o isolamento de um exército de ocupação diminuto (menor que uma audiência de um jogo de futebol) com linhas de comunicações cortadas com a França e sem possibilidade de receber apoio das suas hostes em Espanha. Estes são apenas alguns exemplos. Porventura posteriormente será feita uma abordagem mais aprofundada a esta temática.


 

François Quijano

publicado por BatalhaRolica às 10:50
link do post | comentar | favorito

.O Grupo de Trabalho

.SlideShow

.Videos

.Tempo

Weather Forecast | Weather Maps

.Local da Batalha


Ver mapa maior

.Artigos Recentes

. Soldados que perderam a v...

. O troar dos canhões volto...

. Cardeal Patriarca esteve ...

. Reflexos das invasões fra...

. Um eco do passado...

. Ten. Coronel George Lake

. Programa de Actividades d...

. Raid das Invasões Frances...

. Passeio de Cicloturismo

. 18º Passeio de Cicloturis...

.Links

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Arquivo

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.Pesquisar neste blog

 

.Fale connosco

e-mail

.É o visitante nº


.Subscrever feeds

..