Segunda-feira, 29 de Outubro de 2007

As guerras do gato e do rato

A I Invasão a Portugal, dentro das mais latas acções inseridas na Guerra Peninsular, assentou na ocupação territorial promovida por franceses e espanhóis, com a ajuda de alguns suíços e, da outra parte, nas forças de desocupação, as britânicas, a que se juntaram cerca de dois mil militares portugueses e a resistência heróica do povo luso. Foram diversas as estratégias e tácticas utilizadas pelos generais comandantes de ambos os exércitos: Junot, à frente das forças napoleónicas, e Welsley, no mando das tropas luso-britânicas. Parte das decisões tomadas, por vezes de importância estratégica e táctica fundamental, tiveram opções totalmente inversas, segundo a orientação de cada um dos comandos, pelo que abordaremos algumas das mais relevantes e objectivas: Na primeira delas, refiro-me ao modo de deslocação das forças, desde França e Inglaterra até ao nosso país.
Os gauleses, com a sua armada já antes afundada pelos ingleses, não tinham outra opção que não fosse a via de deslocação terrestre, atravessando a Espanha, passagem que lhes foi assegurada através do Tratado de Fontainebleau. As forças, concentradas em Baiona e compostas por vinte e cinco mil homens de infantaria e três mil de cavalaria, entraram em Espanha a 17 de Outubro de 1807, e é notável o facto de terem cruzado toda a Espanha no período de um mês, dado que iniciaram o seu ingresso na nossa fronteira de Segura, em 17 de Novembro seguinte. Convém ter em mente que cada homem transportava consigo uma carga de entre trinta e quarenta quilogramas de armamento e equipamento, mas não pode esquecer-se, por outro lado, que os comandava Junot, alcunhado por “ A Tempestade”, dado o vigor do seu temperamento e o obcecado objectivo de avançar, avançar sempre! Os britânicos, senhores dos mares de então, escolheram a travessia marítima, pela razão da sua insularidade e pelo facto de todos os territórios de acesso a Portugal estarem controlados pelos franceses ou pelos espanhóis, seus aliados.
Assim, a armada inglesa congregou-se no porto de Cork, e aí se equipou e armou, tendo zarpado em 16 de Julho de 1808, rumo a Portugal, onde iniciou o desembarque a 1 de Agosto imediatamente posterior. Sendo impraticável o desembarque em Lisboa, defendida pelos franceses, o general Wellesley decide aportar na praia de Lavos, imediatamente a Sul da Foz do Mondego, o último curso de água de caudal significativo a Norte de Lisboa, e para ela avança pela via terrestre. Outra decisão estratégica teve que ver com o apoio de logística, designadamente no campo da alimentação, Pelo que os ingleses, sabedores da pobreza do povo português e dos saques que lhe estavam a ser feitos pelas tropas francesas, optaram por carregar na sua armada os mantimentos necessários ao sustento dos seus homens, que seguiram ao longo da costa para que, dos seus navios, fossem convenientemente abastecidos. Em contrapartida, pode dizer-se que os franceses entraram em Espanha de mãos a abanar, baseados na cláusula da Convenção Anexa ao Tratado de Fontainebleau que incumbia aquele país de os alimentar durante a sua passagem por lá, o que funcionou mal e causou sérias baixas no exército de Junot, nomeadamente a partir da zona de Ciudad Rodrigo, altura em que os seus militares foram dizimados às centenas pelas cheias, fome e exaustão. Junot chegará a Lisboa acompanhado somente por cerca de milhar e meio de homens esfarrapados e esfomeados! Mas por cá as coisas não melhoraram muito; A pobreza e resistência de um povo, que desde cedo foi avesso aos franceses, causaram-lhes muito difíceis condições de subsistência.
Por este tipo de diferenças nas opções estratégicas e tácticas se pode ganhar uma guerra ou perdê-la; E foi o que aconteceu!
Brevemente se voltará a evidenciar outras divergências que, sem dúvida, foram a razão da forma como as acções militares se desencadearam e decorreram durante as ofensivas feitas a Portugal durante as campanhas da Guerra Peninsular.

Manuel Patuleia
publicado por BatalhaRolica às 16:03
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 24 de Outubro de 2007

Teor da Convenção Anexa ao Tratado de Fontainebleau

Na sequência do Tratado de Fontainebleau, que se publicou recentemente, foi assinada na mesma data e local uma Convenção Secreta, que lhe ficou anexa, entre a França e a Espanha, tendo por fim a operacionalização da prometida ocupação e divisão de Portugal.

 

A Convenção foi “concluída e arranjada” pelo general de divisão Michel Duroc, Grão-Marechal do Palácio de Napoleão Bonaparte, que, por mandato deste, também a assinou com D. Eugenio Izquierdo de Ribera y Lezaun, Conselheiro Honorário de Estado e da Guerra de Sua Majestade o Rei de Espanha, munido de igual mandato com plenos poderes para o acto, por parte do seu soberano. 

 

Este documento consubstancia o acordo relativamente à ocupação e conquista de Portugal, conforme as estipulações do Tratado de Fontainebleau, e consta do seguinte articulado:

 

Artigo 1 — Um corpo de tropas imperiais francesas de 25 000 homens de infantaria e 3 000 de cavalaria entrará em Espanha e marchará directamente para Lisboa; unir-se-ão a estas um corpo de 8 000 homens de infantaria espanhola, e 3 000 de cavalaria, com 30 peças de artilharia.

Artigo 2 — Ao mesmo tempo uma divisão de tropas espanholas, consistindo em 10 000 homens, tomará posse da província de Entre Douro e Minho e da cidade do Porto; e outra divisão de 6 000 homens, também de tropas espanholas, tomará posse do Alentejo e do reino dos Algarves.

Artigo 3 — As tropas francesas serão sustentadas e mantidas por Espanha, e o seu pagamento providenciado por França, durante o tempo empregado na sua marcha por Espanha.

Artigo 4 — No momento em que as tropas combinadas entrarem em Portugal, o governo e administração das províncias da Beira, Trás-os-Montes e Estremadura portuguesa (que devem ficar em estado de sequestro), serão investidos no general comandante das tropas francesas, e as contribuições impostas nas mesmas províncias serão em benefício da França. As províncias, que devem formar o Reino da Lusitânia Setentrional e o Principado dos Algarves, serão administradas e governadas pelos generais comandantes das divisões espanholas que entrarem nas mesmas, e as contribuições impostas nelas serão a benefício da Espanha.

Artigo 5 — O corpo central estará debaixo das ordens do comandante das tropas francesas, a quem também obedecerão as tropas espanholas unidas a este exército. Contudo se o rei da Espanha, ou o Príncipe da Paz, julgarem conveniente visitar o exército, as tropas francesas com o general que as comandar, ficarão sujeitos as suas ordens.

Artigo 6 — Outro corpo de 40 000 homens de tropas francesas se ajuntará em Baiona, cerca dos 20 de Novembro próximo futuro, o mais tardar, estando pronto para entrar na Espanha, com o fim de marchar sobre Portugal, no caso em que os ingleses para lá mandassem reforços, ou ameaçassem com um ataque. Este corpo adicional, porém, não entrará em Espanha, sem que as duas altas partes contratantes tenham concordado sobre este ponto.

Artigo 7 — A presente convenção será ratificada, e as ratificações trocadas ao mesmo tempo que o tratado desta data.

— Dado em Fontainebleau, aos 27 de Outubro de 1807. = (Assinaturas) Duroc — E. Izquierdo.

publicado por BatalhaRolica às 17:36
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 23 de Outubro de 2007

Enquadramento Institucional

Mais um importante passo foi dado para a dignificação e consolidação das Comemorações do Bicentenário das Batalhas de Roliça e Vimeiro. A iniciativa conjunta dos dois Municípios envolvidos conquistou uma presença no âmbito das Comemorações Nacionais.

 

Decorreu no passado dia 18 uma reunião em Lisboa, no Palácio da Independência, sede da Comissão Portuguesa de História Militar, que coordena as iniciativas a nível nacional, tendo as representações das Câmaras Municipais do Bombarral e Lourinhã sido recebidas pelo seu Presidente, Tenente-General Alexandre Sousa Pinto.

 

O agendamento da reunião foi solicitado para verificar a possibilidade de enquadramento da voluntariosa iniciativa das autarquias, no vasto conjunto de acções que se desenvolverão por todo o país, tendo em vista o Bicentenário das Invasões Francesas.

 

A Câmara Municipal da Lourinhã fez-se representar pelo seu Presidente, José Manuel Custódio, pelo Vereador José Tomé e pelo Presidente da Junta de Freguesia do Vimeiro Joaquim Loureiro. Pelo nosso concelho o Presidente da Câmara Municipal, Luís Camilo Duarte, fez-se acompanhar por Manuel Patuleia e Rui Viola, coordenadores do grupo de Trabalho.

 

O ambiente da reunião foi bastante simpático e cordial, tendo, ambas as partes atingido os objectivos pretendidos. As iniciativas da Roliça e do Vimeiro serão enquadradas no âmbito geral das Comemorações Nacionais, tendo sido criado um canal de colaboração com dois sentidos, de apoio recíproco.

 

Trata-se de um passo importante pois confere à nossas actividades regionais de comemoração destes eventos um lugar de primeira linha num conjunto de realizações que se pretendem à escala nacional.

 

A Sessão Solene de Início das Comemorações, que se realizará no próximo dia 17 de Novembro, está desde já incluída no Programa Nacional.

 

Mais um passo em frente… firme!

 

Batalha da Roliça

publicado por BatalhaRolica às 09:59
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 22 de Outubro de 2007

Conteúdo do Tratado de Fontainebleau

Antes da divulgação do teor do Tratado, talvez seja interessante lembrar que, no anterior dia 17 de Outubro de 1807, as forças francesas já tinham entrado em território espanhol, avançando em marcha intensiva a caminho de Portugal.

 

Aquele Tratado foi “concluído e arranjado” pelo general-de-divisão Michel Duroc, Grão-Marechal do Palácio de Napoleão Bonaparte, que lhe confiara tal mandato, e foi assinado pelo próprio Imperador dos Franceses e por D. Eugenio Izquierdo de Ribera y Lezaun, Conselheiro Honorário de Estado e da Guerra de Sua Majestade o Rei de Espanha, o qual estava também munido com plenos poderes para o acto, por parte do seu soberano

 

Em especial, para melhor apoio a quem pretender estar presente na Conferência, que se realiza no Bombarral no próximo dia 27 de Outubro, seguidamente se transcreve o articulado do secreto Tratado de Fontainebleau, divulgando-se brevemente a sua Convenção Anexa. 

 

Artigo 1. — A província de Entre Douro e Minho, com a cidade do Porto, se trespassará em plena propriedade e soberania para Sua Majestade o Rei da Etrúria, com o título de Rei da Lusitânia Setentrional.

Artigo 2. — A província do Alentejo e o reino dos Algarves se trespassarão em plena propriedade e soberania para o Príncipe da Paz, para serem por ele gozados, debaixo do título de Príncipe dos Algarves.

Artigo 3. — As províncias da Beira, Trás-os-Montes e Estremadura portuguesa, ficarão por dispor até que haja uma paz, e então se disporá delas segundo as circunstâncias, e segundo o que se concordar entre as duas partes contratantes.

Artigo 4. — O Reino da Lusitânia Setentrional será tido pelos descendentes de Sua Majestade o Rei da Etrúria, hereditariamente e conforme as leis da sucessão, estabelecidas na família que ocupa o trono da Espanha.

Artigo 5. — O Principado dos Algarves será tido pelos descendentes do Príncipe da Paz hereditariamente e conforme as leis de sucessão estabelecidas na família que ocupa o trono da Espanha.

Artigo 6. — Se não houver descendentes ou herdeiros legítimos do Rei da Lusitânia Setentrional ou do Príncipe dos Algarves, se disporá por investidura do Rei de Espanha, de maneira que nunca se unirão debaixo de uma só cabeça, nem se anexarão à coroa de Espanha.

Artigo 7. — O Reino da Lusitânia Setentrional e o Principado dos Algarves reconhecerão como protector Sua Majestade Católica o Rei de Espanha, e em nenhum caso os soberanos destes países farão paz ou guerra sem o seu consentimento.

Artigo 8. — No caso de que as províncias da Beira, Trás-os-Montes e Estremadura portuguesa, tidas em sequestro, se devolvam na paz geral à Casa de Bragança, em troca de Gibraltar, Trindade e outras colónias, que os ingleses têm conquistado à Espanha e seus aliados, o novo soberano destas províncias terá, relativamente a Sua Majestade Católica o Rei de Espanha, as mesmas obrigações que tem o Rei da Lusitânia Setentrional e o Príncipe dos Algarves, e as terá debaixo das mesmas condições.

Artigo 9. — Sua Majestade o Rei da Etrúria, cede o Reino da Etrúria em plena propriedade e soberania a Sua Majestade o Imperador dos Franceses e Rei da Itália.

Artigo 10. — Assim que as províncias de Portugal forem definitivamente ocupadas, os diferentes príncipes que as devem possuir nomearão mutuamente comissários para verificar os seus limites naturais.

Artigo 11. — Sua Majestade o Imperador dos Franceses e Rei da Itália, garante a Sua Majestade Católica o Rei de Espanha, a posse dos seus domínios no continente da Europa, situados ao sul dos Pirenéus.

Artigo 12. — Sua Majestade o Imperador dos Franceses e Rei da Itália obriga-se a reconhecer a Sua Majestade Católica o Rei da Espanha como Imperador das Duas Américas, quando tudo estiver pronto para Sua Majestade assumir este título, que pode ser, ou ao tempo da paz geral, ou o mais tardar três anos depois daquela época.

Artigo 13. — As duas altas partes contratantes concordam mutuamente numa igual divisão das ilhas, colónias e outras possessões ultramarinas de Portugal.

Artigo 14. — O presente tratado será tido em segredo. Será ratificado e trocado em Madrid dentro de vinte dias, o mais tardar, da data da sua assinatura.

— Dado em Fontainebleau, aos 27 de Outubro de 1807. = Napoleão = O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Champagny = O Secretário de Estado, Maret.

 

Nota: O referido “Príncipe da Paz” trata-se, nem mais nem menos, do que de Manuel Godoy, Primeiro-Ministro de Espanha e o verdadeiro mentor deste Tratado por parte daquele país.

 

publicado por BatalhaRolica às 09:58
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007

Conferência 27 de Outubro Bombarral

Evocação do Tratado de Fontainebleu


A Câmara Municipal do Bombarral vai promover a realização de uma Conferência, seguida de debate e subordinada ao tema “O Espírito de Fontainebleau – A diplomacia e a geo-estratégia na Europa (séculos XVIII e XIX)”, que decorrerá no Auditório Municipal (ao lado da Biblioteca), no dia 27 de Outubro, sábado, pelas 15:30 horas.

Serão conferencistas a Prof. Doutora Ana Maria Homem Leal de Faria, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, e o Major- General Freire Nogueira, Professor de Estratégia.

O Tratado de Fontainebleau foi assinado há duzentos anos, no dia 27 de Outubro de 1807, altura em que as forças francesas já se aproximavam das nossas fronteiras, e firmou um acordo secreto entre Napoleão Bonaparte, Imperador dos Franceses, e o Rei de Espanha, Carlos IV, através do qual decidiam a partilha de Portugal em três partes, logo que a ocupação militar do nosso país se tornasse definitiva.   

Para suporte aos eventuais interessados em participar, damos seguidamente um pequeno enquadramento histórico da época. Brevemente divulgaremos o teor do tratado.

 

Pequeno Enquadramento Histórico

 

Em 1806, depois do fracasso da tentativa de invasão à Inglaterra, Napoleão decretou o Bloqueio Continental àquele país. Portugal, tradicional aliado dos Britânicos, negou-se a acatá-lo.

Napoleão então decide invadir o nosso país, mas, para isso, precisava de levar as suas tropas, pela via terrestre, até ao território luso. Assim, Manuel Godoy, o Príncipe da Paz, delicia-se ao assegurar-se que, em 27 de Outubro de 1807, o representante do Rei de Espanha e Napoleão Bonaparte firmavam o Tratado de Fontainebleau, pelo qual se permitia a passagem de tropas francesas pelo território espanhol, a fim de invadirem Portugal, e através desse acordo se estabelecia a divisão do nosso país e das suas colónias.

publicado por BatalhaRolica às 14:22
link do post | comentar | favorito

.O Grupo de Trabalho

.SlideShow

.Videos

.Tempo

Weather Forecast | Weather Maps

.Local da Batalha


Ver mapa maior

.Artigos Recentes

. Soldados que perderam a v...

. O troar dos canhões volto...

. Cardeal Patriarca esteve ...

. Reflexos das invasões fra...

. Um eco do passado...

. Ten. Coronel George Lake

. Programa de Actividades d...

. Raid das Invasões Frances...

. Passeio de Cicloturismo

. 18º Passeio de Cicloturis...

.Links

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Arquivo

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.Pesquisar neste blog

 

.Fale connosco

e-mail

.É o visitante nº


.Subscrever feeds

..